Mulheres Progressistas debatem os desafios da política atual


Lideranças femininas progressistas participaram na tarde de quarta-feira, dia 07, de palestra sobre os desafios da política atual na sede do Diretório Estadual do PP.

O debate iniciou com o jornalista e cientista político Cleber Benvegnú, destacando a repercussão política da onda de manifestações que pautou o Brasil nos últimos dias. Revelou que o fenômeno mostrou uma presidente assustada e com dificuldade de comando político e que o Brasil, hoje, discute reforma política. E que ao mesmo tempo, as manifestações gradativamente perdem força e o ímpeto cívico parece ceder lugar ora ao domínio de grupos organizados, ora aomero vandalismo.

Mostrou que o levante popular mostra enfado com a classe política enquanto espécie – de ontem e de hoje. E que isso atinge também todos os partidos políticos. De acordo com Benvegnú, nada dessa revolta teve a mão da oposição. “Tudo ocorreu porque o próprio governo atrapalhou-se com os seus talheres, não por mérito ou estratégia de quem a ele se opõe”, grifou.

Frisou que o PP tem que ser mais adversário com o quadro político estadual e que as mulheres precisam naturalizar a política com fortes bandeiras na educação, saúde e segurança.

Para o professor universitário e advogado em direito eleitoral, Gustavo Paim, o Brasil está diante de algo novo nas configurações dos atuais movimentos, com evidente papel das redes sociais, que jamais aconteceu.

Sintetizou o movimento como celetismo, difuso, com inquietações, individual e polissêmico. Diagnosticou que é preciso discutir a política tradicional, as crise econômica, de democracia, de instituições e de representatividade.

Concluiu que é preciso mudar o sistema por dentro do sistema e mudar as instituições por dentro das instituições. Alertou as mulheres progressistas para debater o tema “O que nós pensamos  sobre a reforma política”. Incentivou para que as lideranças femininas busquem a igualdade de gêneros.

Por último o presidente estadual do PP, Celso Bernardi descreveu em síntese o plano e projetos do partido para o ano de 2013, Analisou o contexto político e avaliou que os partidos precisam fazer sua culpa. Finalizou dizendo que o Brasil precisa de uma educação política.

Fonte: Jornalista Solange Fortuna

Crédito foto: Geancarla de Aguiar/Divulgação PP/Rs